Sem comentários

Comprar casas em planta: vantagens e riscos da nova tendência de mercado

Especialistas explicam porquê

A compra de imóveis em planta é uma opção cada vez mais popular entre grandes e pequenos investidores, num momento em que há falta de oferta de casas disponíveis. A tendência não é nova, mas ganhou asas nos últimos anos com os projetos residenciais de obra nova e reabilitação que têm vindo a chegar ao mercado. A escassez de produto é uma das principais alavancas desta “moda”, que permite aos potenciais compradores posicionarem-se antecipadamente na aquisição de um determinado ativo. Há vantagens, mas também há riscos associados. O idealista/news consultou vários especialistas em imobiliário para ajudarem a explicar este fenómeno.

As opiniões sobre o reforçar da tendência são unânimes. Ana Gomes, Diretora de Promoção e Reabilitação Urbana na Cushman & Wakefield (C&W), Nuno Esteves, Associate – Investment Development, da Savills Portugal, e Gonçalo Santos, Head of Development da JLL, apontam a escassez de oferta como grande motor deste “movimento” de mercado. Oaumento exponencial da procura, referem, tem colocado pressão no mercado comprador, “disposto a assumir o risco e criar uma situação de compromisso à priori antes mesmo do imóvel reunir condições para poder ser alienado”, nas palavras de Nuno Esteves.

No caso da habitação, segundo Ana Gomes, esta possibilidade permite garantir uma posição num projeto considerado apetecível, e ainda “comprar a um preço com desconto, com probabilidade de valorização mais elevada, uma maior personalização da casa e seleção da fração que mais agrada em termos de exposição solar, andar, layout, áreas e estacionamento”.

Vantagens para quem compra e quem vende

Para o promotor, a venda em planta diminui o risco de colocação do produto final, “bem como os fluxos positivos de capital numa fase inicial do projeto, muitas vezes auto-financiando parte ou o total do custo de construção”, na opinião de Gonçalo Santos. Para o comprador “a garantia de conseguir o imóvel desejado no futuro, a potencial valorização durante o ciclo de produção e a possibilidade de introduzir alguma personalização no imóvel”, são os principais pontos positivos.

Ana Gomes assume que para quem compra há a vantagem de garantir uma posição num produto o mais cedo possível e, muitas vezes, por um preço com desconto, concordando que para quem vende será uma oportunidade de garantir a entrada de receitas numa fase muito inicial do arranque do projeto, reduzindo risco e melhorando fluxos de caixa.

Riscos para quem compra e quem vende

“O risco de quem adquire neste formato é relativamente baixo, uma vez que a concretização do processo aquisitivo do bem estará sempre condicionada à emissão da licença de utilização. No entanto, há a considerar riscos como o timing de execução do projeto ser distinto do inicialmente previsto ou alterações das condições de crédito à data de execução da aquisição”, refere Nuno Esteves, acrescentando que para o vendedor os riscos estão maioritariamente associados ao “time-to-market” do projeto e em consequência “poder dar lugar a indemnizações por incumprimento do pré-estabelecido em sede de contrato promessa de compra e venda”.

Mais uma vez, os especialistas mantêm-se alinhados. Gonçalo Santos e Ana Gomes consideram que o principal risco para promotores prende-se com a possibilidade de não se cumprirem as datas de entrega (ou seja, a obra não ser acabada por falta de financiamento ou por insolvência), sendo que para o comprador, os riscos são a dilação da data de entrega do imóvel, a execução com menor qualidade do que expectável e, num caso mais extremo, “a incapacidade de execução do promotor gerar uma situação de incumprimento e litígio, com risco para o capital pago até à data”, nas palavras do representante da JLL.

Para quem vende, acrescenta a porta-voz da C&W, há ainda o risco de se perderem potenciais receitas se o mercado melhorar e os preços subirem durante o período de promoção.

A banca está disponível para financiar estas compras?

“Normalmente, a banca está disponível para financiar logo que seja possível registar uma hipoteca sobre o imóvel, remetendo o financiamento, na maioria dos casos, para o momento da escritura ou do contrato definitivo. Logo, a venda em planta tem como característica a necessidade de aportação de capitais próprios numa fase inicial do processo de aquisição”, explica Gonçalo Santos.

Ana Gomes avança que, neste momento, a banca está disponível para financiar estas compras, e que cada vez mais bancos disponibilizam opções para compra de casa em planta “até com adiantamento incluído”, permitindo o pagamento apenas dos juros correspondentes aos montantes em dívida durante o período de adiantamento.

Blue Acres® Portugal sugere consideração a este artigo, na Costa de PrataOeste de Portugal. A Silver Coast, famosa pelas praias de PenicheBaleal, Foz do Arelho, entre outras, conhecidas pela prática de desportos como surfkitesurfwindsurfjet ski e ainda as actividades de mergulhopesca desportivapesca submarina, etc. A acrescentar, o belíssimo arquipélago das Ilhas BerlengasEstelas e Farilhões que, desde 30 de Junho de 2011 foi considerada Reserva Mundial da Biosfera pela UNESCO, tornando-se Reserva Natural das Berlengas. Também de salientar a beleza pré-histórica do Castelo de Óbidos, a dinâmica diária do mercado da “Praça da Fruta” de Caldas da Rainha e a Lagoa de Óbidos, influente e marcante na ecologia local. Lembre-se que a Blue Acres®Portugal media a compra e venda de propriedades nesta região. Moradiasapartamentosterrenosprédios, etc. Caso o imóvel que procura não se encontre listado neste site, não hesite em contactar-nos: T. 917 440 326 | info@blueacres.pt